Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Prefeitura de Janduís - Página Oficial
 UOL - O melhor conteúdo
 Janduís Online
 Blog do Vassili
 Blog do Andrei
 Blog do Noblat
 Blog do Fernando Rodrigues
 Blog Política Para Políticos
 Blog de Cláudio Sandêgi
 Blog do Gerson Barbosa
 Blog de Thaisa Galvão
 Blog do Marcos Dantas
 Blog de Suerda Medeiros
 Blog de Josenildo Carlos
 Blog do Aluísio Dutra
 Blog do Caramuru
 Bocas Miúdas
 Blog de Jonnathan Pessoa
 Blog do Zé Marconi
 Blog de Márlio Forte
 Blog de Leonildes Basílio
 O Informe
 Observatório de Cinema
 Giro Pelo Estado - Márcio Costa
 Blog do Oliveira Wanderley
 Blog do Xerife
 Deputada Fátima Bezerra
 Deputado Fernando Mineiro
 Blog do Geraldão
 Ciranduís
 BOL - E-mail grátis
 Xeleleu News


 
BLOG DO SALOMÃO GURGEL


Sermos Verdadeiros Custe o Que Custar!

 

Amigo meu, boa gente (pelo menos, na aparência!), gostava (ainda gosta?), vez por outra de “pular o muro”. Belo dia ou melhor Escura Noite, numa dessas “ligeirinhas” da vida (desregrada), engravidou uma de suas namoradas de encontros programados (ou melhor, desprogramados). Prego batido, ponta virada!

Teste de gravidez, positivo e confirmado!

 

De lascar! Se chegar aos ouvidos da mulher (legítima e iludida) e dos filhos? Com que cara vou ficar?  Nascer um filho de prazerosa aventura (ou desventura)? Nem pensar... Aborto? Ah, a solução! Mas onde? Como é mesmo o nome daquele comprimido abortivo? Porra, mas se complicar? Uma hemorragia... Uma curetagem... Ah, não! Nada de complicação! Dinheiro!  Oh, pra mim não é problema... Já sei! Eureca! Me lembro de Zeca, transgressor e papa-anjos igual a mim... Vou atrás do seu telefone. Achei! Sou mesmo um cara de sorte...

 

Homem, pelo amor de Deus! Ainda se lembra daquela Clínica em Recife, pra onde você levou F.....pra fazer aborto? Homem de Deus, não fale essas coisas por telefone! Estou em casa... A mulher e as meninas podem ouvir.  Vamos, ali, no Bar de A....., tomar uma cervejinha! Ok, Ok, venha logo, antes que a bicha esquente!!!

 

Telefone na agenda, mocinha no carro (mentirinha em casa sobre a viagem), alivio enorme só em saber que dentro de algumas horas estaria livre daquele grande peso (na consciência?)

 

Finalmente, Clinica em bairro chick da capital! Tudo “legalzinho”... Nada de clandestinidade... Uma curetagem diante de expelição em curso de feto... 15 mil pratas. Tudo bem! Tudo resolvido, graças a Deus! Agora, posso dormir tranqüilo, com a minha mulher e olhar com segurança pra meus filhos!

 

Meu amigo, devoto fervoroso, votou em Marina, no primeiro turno, por uma questão de princípios. Agora, no segundo, vota em Serra por acreditar na boataria de que Dilma “ é contra a vida” e “vai matar criancinhas”, como disse aquela senhora chilena, esposa do dito Serra...



Escrito por Salomão Gurgel às 13h35
[] [envie esta mensagem] []



Serra responde à acusação de Dilma com um ‘trololó’

  Joel Silva/Folha(Extraido do Blog de Josias de Souza)
A realidade da campanha eleitoral por vezes confere ao Brasil uma aparência de país irreal –espécie de romance de Cabral, com prefácio de Caminha.

 

José Serra, um dos protagonistas, esteve em Goiânia nesta segunda (11). Carregava atrás de si um par de dúvidas.

 

Ambiguidades resultantes de provocações feitas na véspera por Dilma Rousseff, a outra personagem do enredo sucessório.

 

No debate da TV Bandeirantes, Dilma levou aos holofotes dois nomes: Mônica Serra e Paulo Vieira de Souza.

 

Sobre a primeira, declarou: “Sua esposa, Mônica Serra, disse: ‘A Dilma é a favor da morte de criancinhas’. Acho gravíssima a fala da sua senhora”.

 

Quanto ao outro, Dilma afirmou: “Você deveria responder sobre Paulo Vieira de Souza, seu assessor, que fugiu com R$ 4 milhões de sua campanha”.

 

Em ambos os casos, Serra fingiu-se de morto no debate. Não se animou nem mesmo a sair em defesa de sua mulher.

 

Pois bem. Na passagem pela capital de Goiás, Serra viu-se compelido a dizer meia dúzia de palavras sobre o embate da Bandeirantes.

 

Declarou-se surpreso com a agressividade de Dilma. Com atraso, reportou-se à menção feita por sua rival a Mônica Serra:

 

"Ataque à família não é bom na campanha. Campanha é para discutir propostas, comparar candidatos, o que eles fizeram, o que vão fazer".

 

Absteve-se de esclarecer o teor da "gravíssima fala da sua senhora". Coisa pronunciada no mês passado, num corpo-a-corpo em Nova Iguaçu (RJ). Uma pena.

 

Tão grave quanto o “ataque à família” é a retórica da “morte de criancinhas”. A mulher de Serra, por ilustrada, decerto não ignora o significado de uma apelação.

 

Quanto a Paulo Vieira de Souza, um ex-gestor de obras do governo de São Paulo conhecido como Paulo Preto, Serra disse o seguinte:

 

"Eu não sei quem é o Paulo Preto. Nunca ouvi falar. Ele foi um factóide criado para que vocês [repórteres] fiquem perguntando".

 

Curioso, muito curioso, curiosíssimo. Serra empregou o mesmo vocábulo que Dilma usara ao comentar pela primeira vez o ‘Erenicegate’: “Factóide”.

 

É improvável que Serra desconheça Paulo Preto. Até abril deste ano, ele ocupou um posto estratégico do governo de São Paulo: diretor de Engenharia da Dersa.

 

Na gestão do governador Serra, o homem que o candidato Serra diz ignorar cuidava das grandes obras rodoviárias do Estado. Entre elas o Rodoanel.

 

Ex-chefe da Casa Civil de Serra, Aloysio Nunes Ferreira, agora senador eleito por São Paulo, mantém com Paulo Preto relações de amizade.

 

Ao tratar como “factóide” o sumiço de R$ 4 milhões supostamente coletados para nutrir as arcas de sua campanha, Serra desrespeita o eleitor.

 

Se verdadeiro, o episódio mereceria do candidato ao menos uma declaração protocolar em favor da investigação.

 

Se inverídica, a acusação de Dilma, recolhida de notícias penduradas nas manchetes, justificaria uma reação indignada.

 

O silêncio de Serra autoriza a rival petista a mimetizar a pergunta que o tucanato fazia em relação ao R$ 1,7 milhão do dossiê dos aloprados petistas de 2006.

 

Os grã-tucanos gostavam de inquirir: “De onde veio o dinheiro?”. O petismo está liberado para indagar: “Para onde foi a grana?”

 

Serra percorreu as ruas de Goiânia em carreata. Além de políticos, o candidato tinha a seu lado um padre.

 

Chama-se Genésio Ramos. Comanda a Paróquia de São Francisco de Goiás, assentada na cidade de Anápolis.

 

Padre Genésio presenteou Serra com um terço. Diante de uma multidão estimada pela PM em 5 mil pessoas, o candidato beijou o adereço (repare na foto lá do alto).

 

Ao discursar, Serra declarou: "Nós estamos movidos pela fé. A fé de dentro da gente, a fé que vai construir o Brasil".

 

No Brasil irreal –aquele país do romance de Cabral, prefaciado por Caminha— a fé constrói qualquer coisa.

 

No país cuja realidade é tinada pela dúvida, exige-se algo mais dos pretendentes à cadeira de presidente da República.

 

Para utilizar uma gíria ao gosto de Serra, não fica bem para um candidato contrapor a uma grave acusação da adversária uma resposta alicerçada em mero trololó



Escrito por Salomão Gurgel às 12h35
[] [envie esta mensagem] []



Muito felizO Bom Momento da Volta

 

Joana sempre voltava! Alegre, cheia de vigor! Alguém a viu desanimada, alguma vez? Ninguém se lembra...  Apesar de que dela sempre se falava mal... Aliás, não eram todos. Mas, boa parte... Batia com os ombros! Detestava, mas não queria saber de fuxicos e conversas fiadas...

 

Desde pequena, foi assim. Bem determinada, viva, sabia o que queria. Suas amiguinhas tinham raiva por não podê-la acompanhar. Destrinchava tudo, numa ligeireza impressionante. Não havia pra ela nada que abalasse suas convicções e propósitos! E ainda era uma menina... Mas era uma garota especial, apesar de original.

 

Nada de artificialismo: batom, esmalte, roupas exageradas não eram pra ela! Não era bela, mas atraia olhares por algo especial que intrigava as pessoas. Joana, menina, era uma expressão de vida, harmonia, equilíbrio, alegria e paz! Já despontando moça, afagava a boneca de pano ao adormecer, segurando-se nos sonhos da infância!

 

Joana menina transferiu-se para a adulta pelos corredores da juventude, sem arranhar o verniz vigoroso da beleza pueril. Sonhos, sempre sonhava! Algo que lhe condicionava na ação de vital empreendedorismo... Uma Fé energizante que  fluidificava o meio, onde estava...

 

Joana, que se descobriu, expressão de Amor! Sublime! Maravilhoso! Uma essência contagiosa, que inebriava a todos pela energia amorosa, divina, que dela emanava...

 

Joana, às vezes, evaporava-se, deixando um vazio na alma das pessoas! Eram aqueles os momentos da tristeza, da retração dos sentimentos! Olhos tristes fitavam o horizonte, idealizando Joana. A Esperança era a sua volta. Ela sempre voltava, porque havia deixado paz, amor, harmonia...

 

Joana, agora, demora... Ai, que dói! Depressa! Quero de volta a minha paz, o meu equilíbrio, o meu conforto, o meu prazer, a minha esperança! Quero a minha Joana, minha e pra todos nós!  



Escrito por Salomão Gurgel às 22h09
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]